PERY RIBEIRO

Pery Ribeiro - Foto: FB

PERY RIBEIRO

         Faleceu ontem, 24/02/2012, em Niterói/RJ, aos 74 anos, o cantor e compositor Pery Ribeiro.

Pery Ribeiro nasceu no Rio de Janeiro, em 27/10/1937, era casado com Ana Duarte, e filho da grande Dalva de Oliveira e do grande Herivelto Martins, seu nome de nascimento é Peri Oliveira Martins.

Pery deixou seis irmãos, sendo quatro deles por parte de pai, um de pai e mãe, e uma irmã adotiva, por parte de mãe.

O artista Pery se espelhou na obra artística de seus pais, e desenvolveu sua carreira musical desde a infância, logo se tornando sucesso, e ainda na adolescência, iniciou-se como profissional.

Na infância, com apenas três anos, com sua mãe fez dublagem de “Branca de Neve e os Sete Anões”, da Disney, ele fazia a voz do anão “Dengoso” e Dalva a da Branca de Neve.

As informações são de que em 1959 adotou o nome artístico de Pery Ribeiro, sugerido pelo grande radialista César de Alencar.

O seu primeiro disco foi gravado em 1960, mesmo ano em que estreou como compositor com a música “Não Devo Insistir”, com Dora Lopes.

Em 1961 foi o intérprete de “Manhã de Carnaval” e “Samba de Orfeu”, ambas de Luiz Bonfá e Antônio Maria.

Foi Pery Ribeiro que gravou a primeira versão comercial da música “Garota de Ipanema”, sucesso em todo o mundo.

Ele gravou também 12 discos dedicados à Bossa Nova, embora sempre reclamasse de não ter sido reconhecido dentro do movimento.

A partir da década de 70, passou a desenvolver trabalhos mais direcionados ao Jazz, e ao lado de Leny andrade, viajou pelo México e Estados Unidos, onde atuou com a banda de Sérgio Mendes, que fez sucesso em todo o mundo.

Certamente, aqueles das gerações de 60 e 70, viveram suas infâncias e adolescências ouvindo Pery Ribeiro no rádio e o vendo e ouvindo na TV, portanto, deixou ele, gratas e indeléveis lembranças, nas infâncias e adolescências de milhões de brasileiros.

Grande Pery!

Meu Rio Glorioso

Pery Ribeiro

Volto a caminhar na mesma rua
A contemplar a mesma lua
Que brilhou no meu passado
Quando a minha vida era um brinquedo
Quando todo o enredo
Da minha história começou
Volto e sinto o cheiro de saudade
E vejo que a felicidade
Era um Rio glorioso onde eu nasci
Era um Rio tão amável,de sorriso e sol.

Um Rio tão alegre com seu futebol
Um Rio tão feliz sem violência e dor
Um Rio onde a Estrela Dalva
Emocionou cantando
Um Rio onde Herivelto
compos a vida amando
A paz tão carioca
Em carnavais de muito amor.

Anúncios

Sobre Del Valle
Um pensador social

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: